A tartaruga

406

Todos os dias o percurso era o mesmo. Taru deixava o mar e seus mistérios e, na calada da noite, deslizava lentamente pela areia batida da praia, até ao amanhecer, quando a maré alta a envolvia no carinho de suas ondas mornas, e como se carrega uma criança nos braços, a deitava cheia de ternura no doce leito do mar.

Taru era imponente. Nos seus cento e cinqüenta quilos, cheia de força e vigor, desafiava constantemente as intempéries do mar e os dissabores do tempo, além de se arvorar contra os muitos predadores que porventura dela se aproximassem.

As marcas de suas patas, como impressões digitais verdadeiras, deixavam-se fixar na areia, à semelhança de um grande outdoor horizontal que estampasse este aviso: Taru passou por aqui! Era vaidosa. Nunca fora vencida nem se deixara vencer. À medida que cada vitória sucedia, a sua medida de vaidade multiplicava-se, deixando-a cada vez mais presunçosa e cheia de orgulho. A autossuficiência impedia-lhe de ver o mundo ao seu redor. Meneando a cabeça, ora para cima, contemplando o céu bordado de estrelas; ora para baixo, vislumbrando os bilhões de grãos de areia que compunham aquela paisagem serena; ora retraindo a cabeça para dentro de si, num gesto puramente instintivo de defesa contra as rajadas de vento que a incomodavam sobremaneira, Taru sentia-se absoluta.

A noite fora tranqüila. Mal os primeiros raios da manhã saudavam o novo dia, ela esperava ansiosa a chegada da maré cheia. As ondas espraiavam-se cada vez mais perto. Ofegante, exausta, arrastando-se lentamente, mas feliz por não ter sido vencida mais uma vez, não percebe uma onda gigante que, tomando-a de surpresa, lança-a há alguns metros de distância, onde cai desacordada e só.

O sol já ia alto quando Taru se deu conta de que estava de patas para o ar. Tentou desvirar-se uma, duas, três… inumeráveis vezes. Nada. O dia findara, outra noite chegara, e ela ali, sozinha, vendo o céu de cabeça para baixo e o mar longínquo que não reparava na sua dor.

A areia quente, de uma temperatura insuportável, levava-a a exaustão.

Ao final do terceiro dia, quando as primeiras estrelas saudavam a noite que nascia mansamente, e já sem esperança alguma, Taru ouve passos que vêm em sua direção. É inacreditável! Agita-se. Se pudesse gritar… O pescador se aproxima, pára, fixa seu olhar, move a cabeça para a direita e para a esquerda, como quem diz: “Pobrezinha!…” E reunindo suas forças, socorre e salva Taru.

Já deslizando nas águas do mar e gozando das delícias do seu habitat natural, Taru pôde refletir e compreender: “Ninguém se basta a si mesmo. Nem eu“.

Paz e Luz

Antonio Luiz Macêdo

Leia mais obras do autor:

Conta-gotas Do Dia a Dia (no final da página)

______________________________

Antonio Luiz Macêdo