Alegria na Transfiguração

555
Alegria na Transfiguração

Segundo domingo da Quaresma

Pedro disse a Jesus: “Mestre, é bom que estejamos aqui; façamos três tendas, uma para você, outra para Moisés e outra para Elias. ”Lucas 9,33 (Ano C)

Para o ano A, veja Mateus 17, 1-9
Para o ano B, veja Marcos 9, 2-10

Pedro estava alegre, talvez além de qualquer alegria que experimentara antes. De fato, dizer que ele estava animado é certamente um eufemismo. Pode ser mais apropriado dizer que ele ficou impressionado! Por que esse foi o caso? Porque ele acabara de receber um pequeno vislumbre da glória e do esplendor de Deus!

Esta é a Transfiguração. Jesus levou Pedro, Tiago e João e eles subiram juntos em uma alta montanha. Esses três apóstolos não tinham ideia do que estava por vir. Muito provavelmente, enquanto estavam no caminho, estavam reclamando interiormente, imaginando por que precisavam subir a montanha. Mas a montanha é um símbolo da nossa jornada ascendente ao céu. É preciso foco e motivação, compromisso e determinação para ir até lá, e é um lugar elevado, um lugar longe das ocorrências comuns da vida. 

Então eles estavam nessa difícil subida da montanha e de repente pararam em choque e admiração. Eles viram diante de seus olhos, Jesus mudou de um modo glorioso, Suas roupas eram mais brancas do que qualquer branco que já tinham visto. E Moisés e Elias, o grande Legislador e o grande Profeta, estavam diante deles conversando com Jesus. 

E o que estava acontecendo na cabeça de Pedro? O que ele estava experimentando? Ele estava experimentando um pequeno vislumbre da glória e esplendor de Deus. Jesus, que até aquele momento manteve Sua divindade velada, ergueu o véu muito ligeiramente. E com o levantamento desse véu, Sua divindade brilhou mais brilhante do que qualquer coisa que este mundo pudesse conter. E Pedro, Tiago e João não sabiam o que pensar. Mas Pedro clamou que queria construir três tendas, uma para Jesus, outra para Moisés e outra para Elias! Pois dentro dessa experiência momentânea, ele experimentou o desejo de permanecer lá para sempre. 

Então, por que Jesus deu a esses apóstolos esta breve experiência de Sua glória? Porque eles precisariam desse gosto de Sua bondade para o caminho adiante. Eles precisariam lembrar para sempre qual era seu destino final. Eles precisariam manter essa experiência por perto, pois suportaram as muitas cruzes e sofrimentos que viriam. E eles usariam essa experiência para se lembrarem de que tudo o que tiveram que suportar na jornada até a montanha da vida vale a pena. Porque no alto há uma glória tão grande que nenhuma dificuldade que eles teriam que suportar se provaria ser grande demais.

Deus quer nos transmitir essa mensagem. Ele quer que reflitamos sobre essa experiência que eles tiveram e Ele quer que tentemos entrar nela para que nós também possamos de bom grado prosseguir durante a jornada.

Reflita, hoje, no começo da Quaresma, na glória de Deus que faz com que as cruzes que suportamos valham a pena. Tire proveito dessa experiência de Pedro, Tiago e João e tente fazer com que sua experiência seja sua. Seja consolado pela glória de Deus e nunca esqueça que esta é a promessa final que Ele dá a todos os que insistem.

Senhor, que eu seja consolado por sua glória e esplendor. Que eu acredite nessa glória e mantenha-a sempre em minha mente enquanto prossigo pelas dificuldades e desafios que enfrento. Você viaja a estrada à minha frente e você me conduzirá em minha jornada se eu confiar em você. Jesus, eu confio em você!