Chegando aos seus sentidos

428
Chegando aos seus sentidos

O Quarto Domingo da Quaresma, Ano C

Voltando a si, ele pensou: “Quantos dos trabalhadores contratados do meu pai têm comida mais do que suficiente para comer, mas aqui estou eu, morrendo de fome. Levantar-me-ei e irei ter com meu pai e dir-lhe-ei: ‘Pai, pequei contra o céu e contra ti. Eu não mereço mais ser chamado seu filho; Trate-me como você trataria um de seus trabalhadores contratados. ‘”Lc. 15, 17-19

Por que nos apegamos aos nossos pecados? Esta passagem vem da história do filho pródigo. Nós deveríamos conhecer bem essa história. O filho decide deixar o pai e levar a herança a que ele pertence, gastando isto em uma vida de pecado. Quando o dinheiro que ele tinha acabou, ele estava em necessidade desesperada. então, o que ele fez? Ele caiu em si!

Só esta linha vale a nossa meditação. Primeiro, revela o que acontece com uma pessoa que cai em uma vida de pecado. Neste caso, o filho acabou colhendo o fruto do seu pecado. Ele descobriu que seu pecado o deixava desamparado e sozinho. Ele não sabia para onde se virar. E embora nossos pecados possam não ser até o ponto deste filho, todos nós experimentaremos os efeitos vazios dos pecados que cometemos, assim como esse filho fez.

A profunda percepção que podemos obter desse filho é que ele apareceu. Especificamente, ao “entrar em juízo”, ele reconheceu duas coisas importantes. Primeiro, ele percebeu que ele vale mais do que uma vida de indigência. Ninguém deveria ter que viver uma vida empobrecida e vazia. Portanto, ao ver sua própria dignidade, ele percebeu que era feito para mais.

Em segundo lugar, ele sabia que poderia se voltar para o pai. Que bênção era para ele saber disso. A razão pela qual ele sabia que poderia se voltar para o pai era que seu pai claramente o amava com um amor incondicional. A misericórdia no coração do pai era tão forte que o filho estava ciente disso e essa consciência lhe deu confiança para voltar-se para ele.

Reflita hoje sobre essa dupla ação. O filho vê sua miséria e também vê seu pai como a pessoa a quem ele pode confiar com confiança. Devemos nos esforçar para fazer o mesmo em nossas próprias vidas. O Pai Celestial nunca nos rejeitará. Não importa o que tenhamos feito ou até que ponto nos afastamos, o amor do Pai é perfeito, implacável, incondicional e sempre convidativo. Ele está pronto e disposto a descartar todos os erros que cometemos se nos voltarmos para Ele em confiança. Venha aos seus sentidos em relação aos seus pecados! Deixe-os ir, arrependa-se e confie na misericórdia de Deus.

Senhor, meus pecados me deixam seco e vazio por dentro. Eu vejo a miséria e a dor que resultam das escolhas pecaminosas que fiz. Ajudai-me, querido Senhor, a vir a meus sentidos e me afastar de todo pecado que eu cometo. Ajude-me a ver que Sua misericórdia é muito maior do que qualquer coisa que eu tenha feito. Agradeço pelo seu amor perfeito e volto-me para você em minha necessidade. Jesus eu confio em vós.