Ele vai chamar-se João

242
Ele vai chamar-se João

A Igreja Celebra solenemente no dia 24 de junho, o nascimento de São João Batista. Santo, que além da Virgem Maria, é o único a ter o aniversário natalício celebrado pela liturgia. São João Batista que é padroeiro de tantas comunidades de nossa Arquidiocese.

A relevância do papel de São João Batista reside no fato de ter sido o “precursor” de Cristo, a voz que clama no deserto e anuncia a chegada do Messias, insistindo para que os judeus se preparassem, pela penitência, para essa vinda.

Já no Antigo Testamento encontramos passagens que se referem a João Batista. Ele é anunciado por Malaquias e principalmente por Isaías. Os outros profetas são um prenúncio do Batista e é com ele que a missão profética atingiu sua plenitude. Ele é assim, um dos elos entre o Antigo e o Novo Testamento.

Segundo o Evangelho de Lucas, João, mais tarde chamado o Batista, nasceu numa cidade do reino de Judá, filho do sacerdote Zacarias e de Isabel, parenta próxima de Maria, mãe de Jesus. Lucas narra às circunstâncias sobrenaturais que precederam o nascimento do menino. Isabel, estéril e já idosa, viu sua vontade de ter filhos satisfeita, quando o anjo Gabriel anunciou a Zacarias que a esposa lhe daria um filho, que devia se chamar João. Depois disso, Maria foi visitar Isabel. “Ora quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança lhe estremeceu no ventre, e Isabel ficou repleta do Espírito Santo. Com um grande grito, exclamou: ‘Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre! Donde me vem que a mãe do meu Senhor me visite?’” (Lc 1,41-43). Todas essas circunstâncias realçam o papel que se atribui a João Batista como precursor de Cristo.

João Batista foi o precursor de Jesus, isto é, aquele que veio preparar o povo para recebê-lo. A história da sua infância encontra-se no Novo Testamento: no evangelho de São Lucas, capítulo Primeiro, versículos 5 a 23 (e Lc l, 56-80) – alguns fatos da sua vida são narrados também nos outros três evangelhos: São Mateus, São Marcos e São João. Zacarias e Isabel, os pais de João Batista, moravam numa cidade chamada Ain-Karim. Eram de idade avançada e não tinham filhos. Porém, eles confiavam muito em Deus e rezavam pedindo um filho.

A celebração da natividade de João Batista evoca a manifestação da graça e bondade de Deus. O lema é a frase de Zacarias, seu pai, no evangelho dessa solenidade: “Seu nome é João”. A frase é uma mensagem da gratuidade e bondade divinas. O próprio nome – Yohanan – significa “Deus se mostrou misericordioso”. É importante lembrar que seus pais, Zacarias e Isabel, eram idosos e a mãe, estéril. Portanto o nascimento de João revela o poder e a bondade de Deus e é um sinal claro da importante missão que a ele é confiada.

São João Batista nasceu seis meses antes de Jesus Cristo e foi um anjo quem revelou o seu nome ao seu pai, Zacarias, que há muitos anos rezava com sua esposa para terem um filho. Estudiosos mostram que possivelmente depois de idade adequada, João teria participado da vida monástica de uma comunidade rigorista, na qual, à beira do Rio Jordão ou Mar Morto, vivia em profunda penitência e oração. Pode-se chegar a essa conclusão a partir do texto de Mateus: “João Usava um traje de pêlo de camelo, com um cinto de couro em volta dos rins; alimentava de gafanhotos e mel silvestre”.

A misericórdia divina também se manifesta na missão importante a ser vivida por João. É o último e o maior dos profetas, aquele que veio para dar testemunho da luz verdadeira que é Jesus Cristo. Marcos inicia seu evangelho apresentando João Batista que “pregava o batismo de penitência para remissão dos pecados” (Mc 1, 4). O evangelho de Mateus conta que João começou a pregar no deserto da Judéia, dizendo: “Arrependei-vos, porque está próximo o reino dos céus. Porque este é aquele de quem falou o profeta Isaías quando disse: Voz do que clama no deserto. Preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas” (Mt 3, 2-3).

O exemplo de São João Batista nos ilumina e nos faz seguir e ser anunciadores do Senhor. Somos e devemos sempre em nossa vida indicar as pessoas o caminho do Mestre Jesus. Deus na sua infinita bondade nos dê muitas graças para fazer vontade de Deus.

Orani João, Cardeal Tempesta, O. Cist.

         Arcebispo Metropolitano de São Sebastião do Rio de Janeiro, RJ