Gradualidade e conversão

42
Gradualidade e conversão

“Todos devemos opor-nos com uma conversão da mente e do coração, seguindo a Cristo Crucificado, no dizer não ao próprio egoísmo, à injustiça originada pelo pecado”.

Para enfrentarmos todas as situações que favorecem e fomentam a desagregação familiar, faz-se necessária uma CONVERSÃO RECÍPROCA do casal.

Esta conversão engloba a oposição aos valores do mundo, calcados no TER, no PODER e no PRAZER. O ter que não é partilhado transforma-se em egoísmo; o poder que não age com justiça, torna-se opressão; o prazer pelo prazer gera libertinagem.

A nossa mente e o nosso coração devem voltar-se para o Cristo – o Cristo crucificado – que “se fez obediente até a morte, e morte de cruz”. É desta cruz que nos vem a força vivificadora e fortalecedora da nossa vontade, para que permaneçamos fiéis aos valores do Evangelho Daquele que é ‘o Caminho, a Verdade e a Vida’.

A racionalização das palavras de Jesus não terão nenhum efeito em nossa conversão se ficarem apenas a nível do intelecto. Aí é pura ideologia. Para que a conversão torne-se radical, o que guardamos na mente tem de descer ao coração e transformar-se em VIDA. O nosso testemunho de ‘sal da terra e luz do mundo’, será o nosso termômetro e a nossa bússola.

Fé, esperança e coragem. O Espírito Santo é por nós. quem será contra nós?

Antonio Luiz Macêdo
poupalavras.blogspot.com.br