Maria Missionária: Escutar o clamor dos povos!

372
novena de aparecida 2019

É Ele que suscita uma abundante e diversificada riqueza de dons e, ao mesmo tempo, constrói uma unidade que nunca é uniformidade, mas multiforme harmonia que atrai. (Evangelii Gaudium, n. 11.7)

ACOLHER SAUDAR

1.  Acolhida

(Procissão de Entrada)

2. Saudação Litúrgica

R: Em nome do Pai t e do Filho e do Espírito Santo.

Amém!

R: Nós vos reverenciamos, ó Mãe, e bendizemos o amor que vós nos tendes. Abri nossos ouvidos para escutarmos, nos campos e nas florestas, nas avenidas e nas fave­las, nos prédios e condomínios, o clamor dos mais necessitados.

—   Abri   nosso   coração   para compreender a dor dos mais abandonados. Amém!

REVERENCIAR         CONTEMPLAR

3.  Contemplando Maria

(Entronização e incensação da Ima­gem. Logo após, fazem-se o “Con­templando Maria”, os “Louvores a Maria” e o “Testemunho Missionário-Profético”. Durante a incensação da imagem, silêncio orante)

R: Maria, sois a continuadora da missão de Jesus e nos formais em vossa escola discipular. Fazei–nos abraçar com alegria o Evan­gelho da vida

– e, transformados por ele, ser­mos como fermento de amor e de liberdade no meio do mundo! R: Se há escravos no mundo, é porque há poderosos nos tronos. Fazei-nos libertadores dos mais oprimidos, em que a força da vida foi sufocada por causa dos gananciosos e sem escrúpulos. Abri nossos olhos para poder­mos enxergar

onde a vida foi ferida, do Amazonas até o mais longínquo recanto de nossa pátria! L.: Como Mãe de Jesus e nossa, esperais um pouco mais de doa­ção de nossa parte, pois se há amor, não pode haver separação entre irmãos, nem desconsidera­ção a quem foi criado com o mes­mo amor do coração divino.

Nada poderá nos separar do amor a Cristo e aos irmãos. Está decretado o fim de qualquer es­cravidão e corrupção! L.: Tornai fecundo nosso viver. Fa­zei brotar, ó Mãe bendita, no mais profundo de nossa vida, o desejo de buscar o paraíso tão desejado pelo próprio Deus. – Livrai-nos dos perigos de um mundo, que tudo banaliza, até a própria vida, dom divino! L.: Fazei brilharem, no chão de nossa pátria, a vida e a ação dos anunciadores do Evangelho, li­bertador e redentor, como brilham as estrelas do céu.

Assim seja, ó Mãe dos peque­nos e dos humildes, pois dese­jamos que o Reino se realize o mais depressa possível. Amém!

4. Louvores a Maria

R: Como os cantos dos pássaros, no meio das matas e nos confins das florestas, que nos encantam e nos trazem descanso,

cheguem ao coração de Deus e de Maria nosso louvor e nossa gratidão!

R: Como as águas, que escorrem nas escarpas, nas montanhas, nos vales e planícies, fazendo sur­gir a vida por onde passam,

– fazei nascer no coração dos indiferentes e autossuficientes um rebento de paz e de amor libertador. Amém!

Ó Mãe tão bela e tão santa, Maria, louvamos a vós!

socorrei os pobres e aflitos. Estendei sobre  nós vossas mãos. Lá no céu, rogai a Deus por nós!

Sobre nós volvei vosso olhar. Maria, louvamos a vós!

Guiai-nos no caminho de Jesus. – Fazei-nos servidores do Reino. Lá no céu, rogai a Deus por nós!

R: Ó Pai, que nos destes Jesus e Maria, sua Mãe, para nosso bem, fortalecei-nos na força de vosso amor e conduzi-nos como vosso povo fiel e comprometido com a verdade de vosso Reino.

Sim, nosso Senhor, na força de vosso amor e unidos a Maria, teremos a força de transformar o mundo. Amém!

5. Testemunho

Missionário-Profético

Sônia Alzira Tossué Muquissai -Indígena da etnia Chiquitano Eu sou Sônia Alzira Tossué Mu­quissai, pertencente ao povo Chi­quitano, que habita no município de Porto Esperidião (MT), aldeia Vila Nova Barbecho, a 110 quiló­metros da sede do município de Porto Esperidião e a 460 quilóme­tros da capital, Cuiabá (MT). O povo Chiquitano possui um sis­tema cultural próprio. Continuamos lutando pelo direito de existir e reexistir na fronteira como povo que tem sua identida­de, cultura e língua próprias. Tam­bém enfrentamos os conflitos da desapropriação e da invisibilidade de nossos direitos. Vivemos nossa fé católica com fervor, mas não deixamos de valorizar as nossas crenças. Fazemos Celebra­ção da Palavra todos os domingos e, nos sábados, rezamos o Rosário. Temos como protetora da Comuni­dade Nossa Senhora de Fátima. Como jovem indígena e religiosa, sinto orgulho de dizer que sou fruto desse povo, que fortemente acre­dita e se alimenta de uma espiri­tualidade cósmica, fortalecendo os sonhos da juventude de entregar a vida nessa dimensão da evange­lização. Sou grata pelas missões dos religiosos na fronteira, presen­ças proféticas que me animam a seguir caminhando e sonhando com um mundo igualitário.

(Instante de silêncio meditativo)

OUVIR COMPROMETER-SE

6. Palavra de Deus

P.: Senhor Deus, vossa Palavra é sinal de vossa Aliança conosco. Vós nos convidais a seguir vosso ensinamento, pois sabeis o quan­to seremos livres e felizes cami­nhando em vossa luz. Assim fo­ram Abraão, Moisés, os Profetas e tantos mais, que se tornaram fiéis ao vosso convite. Também encon­tramos Maria, a Mulher da nova e eterna Aliança, que nos ensina que é preciso escutar e fazer o que vosso Filho nos diz. Vós nos ofereceis, Senhor, a vida e a paz, a alegria e a salvação. Com Maria, vamos ouvir com todo o fervor o que o Senhor vai nos falar e, depois, vamos prati­car. Amém!

(Acolhimento da PALAVRA DE DEUS: fonte de vida, fonte de salvação)

– Cântico à PALAVRA DE DEUS – Anúncio – Bodas de Cana – Jo 2,1-11

1No terceiro dia, houve uma festa de casamento em Cana da Galileia e lá se encontrava a mãe de Jesus. 2Também Jesus foi convidado para a festa junto com seus discípulos. 3Faltando o vinho, a mãe de Jesus lhe disse: “Eles não têm mais vi­nho”. 4Respondeu-lhe Jesus: “Mu­lher, que importa isso a mim e a ti? Minha hora ainda não chegou”. 5Sua mãe disse aos serventes: “Fa­zei tudo o que ele vos disser”. 6Havia lá seis talhas de pedra, des­tinadas às purificações dos judeus. Cada uma delas podia conter cer­ca de dois ou três barris. 7Disse Jesus aos serventes: “Enchei de água as talhas”. Eles as encheram até a boca. 8Disse-lhes então: “Tirai agora e levai ao mestre-sala”. Eles levaram. 9O mestre-sala provou a água transformada em vinho, e não sabia donde viera aquele vinho, embora o soubessem os serventes que haviam tirado a água; chamou então o noivo 10e disse-lhe: “Todo mundo serve primeiro o bom vi­nho e, quando os convidados já tiverem bebido muito, serve o vi­nho inferior. Tu, porém, guardaste até agora o vinho bom…” 11Deste modo iniciou Jesus, em Cana da Galileia, os seus sinais. Manifestou sua glória, e seus discípulos come­çaram a crer nele. — Palavra da Salvação.

Glória a vós, Senhor!

(Mensagem)

7. Compromisso Solidário

R: Ó Maria, ao recordarmos vosso belo e inconfundível gesto de amor naquele dia em Cana da Galileia, quando socorrestes aqueles noivos em apuros, vós nos ensinastes que não poderá irmão algum passar dificuldades, se há cristãos ao seu redor,

— e nos fizestes ter um coração voltado para as necessidades

mais urgentes de nossos ir­mãos e nossas irmãs!

L.: Maria, como a terra aceita a se­mente e a faz germinar, fazei-nos acolhedores da Palavra de vosso Filho, para que sejamos por ela transformados. Como a semente que gera a árvore que dá frutos abundantes,

—  sejamos, nós e nossas Co­munidades,  continuadores  do Reino de Cristo, o Senhor de todo tempo e da história!

L.: Assim como aqueles serventes encheram as talhas de água, fazei–nos transbordar a verdade de Je­sus, vosso Verbo eterno, como as águas de um rio, para que o mundo tenha mais vida. Não nos deixeis surdos ao clamor de vosso povo,

—  sufocado pela ganância dos que já muito possuem e pelo “deus” lucro.

R: Ó Senhor, abri nossos olhos para a realidade de nossa gente e não nos deixeis ficar alienados, vivendo uma fé distante dos sofredores e descomprometida com a realidade de vosso povo.

—  Maria, com toda a Igreja de Jesus, fazei-nos ouvintes do cla­mor do povo do Senhor. Amém!

(Procissão da Caridade – Oferta dos Alimentos)

BENDIZER ADORAR

8. Por Maria a Jesus

L.: Maria não pode jamais ser dispensada do coração dos que escutam o clamor do povo, a san­tidade de vida.

–   Jesus é o Deus, que se fez Homem, para que os homens e mulheres fossem de Deus, fos­sem santificados!

L.: Mãe querida, vós que fostes obediente a Cristo e nos deixais esse exemplo, ajudai-nos a ter os mesmos gestos e as mesmas atitu­des de Jesus, que jamais deixou de acolher e servir aos mais abando­nados na sociedade de seu tempo: – os pobres, os doentes, os pecadores, os tristes, os feridos em sua dignidade! L.: Mãe, desejamos nos encontrar com vosso Filho, na pessoa de nosso irmão ou nossa irmã, em seu Evangelho e no mistério da Euca­ristia, pois é assim que recobramos o vigor de nossa fé e da santidade.

— Vinde, ó Jesus, Pão vivo e presente em nós e entre nós.
Guiai-nos no caminho da salva­ção e em vosso Reino. Amém!

(Entronização, Exposição e Adoração do Santíssimo)

9. Diante de Jesus, Pão da Vida

(Antes do cântico “Tão Sublime”) R: Ó Jesus, vós sois nosso Deus e Senhor, o Redentor de todos os povos e todas as nações.

— Iluminai todos os povos, para que encontrem a paz!

R: Dai coragem aos que anun­ciam vossa Palavra e a testemu­nham com vigor.

— Reine vossa verdade, desde a Amazónia até o mais escondi­ do recanto de nossa pátria!

R: Em vós, Senhor, encontramos a plenitude da vida, a certeza da paz e de nossa ressurreição.

— Ao Senhor Jesus, presente na Eucaristia, nosso louvor, agora e pelos séculos sem-fim. Amém!

10.  Bênção do Santíssimo

(Cântico “Tão Sublime”-p. 3)

IDE EVANGELIZAI

11.  Caminhando com Maria

R: Ó Senhora dos pequenos e dos humildes, dos desfraldados em sua dignidade,

– rogai por nós, pobres pecado­res necessitados de vida e de paz! R: Ajudai-nos, ó Mãe, a com­preender as certezas e angústias dos homens e das mulheres de nosso tempo, e, como cristãos, fazei-nos promotores da esperan­ça e do sentido da vida.

Maria, em nossa vida e missão, precisamos de vosso apoio, vos­sa presença e proteção. Por isso nos consagramos a vós. Amém!

(Consagração a Nossa Senhora, feita por um JOVEM – p. 5)

12.  Agradecimentos

(Se oportuno, façam-se os devi­dos.agradecimentos)

13.  Oferta das Flores

L.: Ó flores benditas dos campos e jardins, da beira dos regatos e do meio das matas, que permitis o pouso suave da abelha, que colhe seu pólen para o doce mel, ajudai-nos a redescobrir a beleza do amor verdadeiro, da solidariedade comprometida, a beleza de Deus!

L: Se bela é a vida de quem pra­tica o bem, perfumadas ficam as mãos de quem oferece flores a Maria e ao irmão, com o coração cheio de bondade e ternura.

— A flor em sua singeleza ven­ce sempre a força das armas e a violência dos malvados!

L.: Aceitai as flores, as rosas, os cravos e jasmins, que agora vos oferecemos, ó Mãe do Belo Amor. ~ Convosco seremos sempre vencedores, pois nos encontra­mos com Jesus, nosso Deus e Senhor. Amém!

14. Envio Missionário

R: Como a chuva, que fecunda a terra e faz brotarem rebentos vi­çosos e exuberantes, fecundai, Senhor Deus de bondade e de mi­sericórdia, o coração dos anuncia­dores da verdade de vosso Reino. – Tirai nossa surdez para ou­virmos, Senhor, o clamor dos feridos na dignidade de seres humanos. Amém! R: Ide e anunciai o Evangelho com toda a força de vossa fé e de vossa confiança no Senhor. A você que hoje rezou: que a brisa leve do Espírito de Deus sopre sobre sua existência… A luz de Cristo brilhe suave em sua face… Que uma chuva de graças caia de mansinho em sua vida. E, até que nos encontremos de novo, que Deus o guarde na palma de suas mãos e o abençoe rica e podero­samente, em tudo e sempre.

Amém! Assim seja!

R: A festa da vida continua! Per­maneçamos na paz de Jesus e na proteção da Senhora Aparecida.

—   Amém!   E   que   Maria   nos acompanhe! Amém!

(Homenagem do povo – Entrega das Flores)