Mateus 7, 1-5 Não julgueis, para que não sejais julgados

244
Estudo do Evangelho

“Primeiro tire o cisco do seu próprio olho”

Escritura:   Mateus 7, 1-51

“Não julgueis, para que não sejais julgados. 2 Pois com o juízo te pronunciarás, sereis julgados, e a medida que deres será a medida que receberes. 3 Por que vês o cisco que está no olho do teu irmão, mas Não reparas no tronco que está no teu próprio olho? 4 Ou como podes dizer ao teu irmão: “Deixa-me tirar o cisco do teu olho”, quando há o tronco no teu olho? 5 Hipócrita, primeiro pega o log out do seu próprio olho, e então você vai ver claramente para tirar o cisco do olho do seu irmão.

Estudo do Evangelho: Todos são críticos, mas ninguém quer ser julgado ou condenado. Então, por que o judgementalismo é tão desenfreado, mesmo entre os cristãos? “Pensar o melhor das outras pessoas” é necessário se quisermos crescer em amor. E gentileza no julgamento é nada menos que um dever sagrado. Os rabinos advertiram as pessoas: “Aquele que julgar favoravelmente o seu próximo será julgado favoravelmente por Deus”. Como é fácil julgar mal e quão difícil é ser imparcial no julgamento. Nosso julgamento dos outros é geralmente “fora da marca”, porque não podemos ver dentro da pessoa, ou não temos acesso a todos os fatos, ou somos influenciados por reações instintivas e irracionais às pessoas. É mais fácil encontrar falhas nos outros do que em si mesmo.

Jesus declara um princípio celestial no qual podemos apostar nossas vidas: o que você dá aos outros (e como você trata os outros) retornará a você . O Senhor conhece nossas faltas e vê tudo, até as imperfeições e pecados do coração que não podemos reconhecer em nós mesmos. Como um pai gentil e um médico habilidoso, ele pacientemente nos atrai ao seu lugar de misericórdia e remove o câncer do pecado que habita nossos corações. Você confia na misericórdia e graça de Deus? Peça ao Senhor para inundar seu coração com sua bondade e misericórdia, a fim de que você tenha espaço para caridade e paciência para com o próximo.

“Ó Pai, dá-nos a humildade que percebe sua ignorância, admite seus erros, reconhece sua necessidade, recebe conselhos, aceita repreensão. Ajude-nos a sempre elogiar em vez de criticar, simpatizar em vez de desencorajar, construir em vez de destruir e pensar nas pessoas no seu melhor e não no seu pior. Isso nós pedimos pelo amor do teu nome.  (Oração de William Barclay, século XX)