Mudança de vida e mentalidade

696

Quando Jesus se deparava com pessoas que viviam vida pouco digna, que se intitulavam santos e exploravam o povo, que viviam mergulhados no pecado, na injustiça e que não tinham qualquer intenção ou interesse de mudarem o seu modo de vida e mentalidade, Jesus era duro, chamando-os de geração adúltera, raça de víboras, sepulcros caiados: “Ai de vocês, escribas e fariseus, hipócritas, porque vocês bloqueiam o Reino dos Céus diante dos homens! Pois vocês mesmos não entram, nem deixam entrar os que querem fazê-lo.” (Mt 23,13-14), e, na sequência, Jesus profere outras seis maldições contra os escribas e fariseus e, dentre estas está esta terrível, que suscita em cada um de nós motivo de reflexão: (Mt 23,27-28). “Ai de vocês, escribas e fariseus, hipócritas! Vocês são semelhantes a sepulcros caiados, que por fora parecem bonitos, mas por dentro estão cheios de ossos de mortos e de toda podridão. Assim também vocês: por fora parecem justos aos homens, mas por dentro estão cheios de hipocrisia e iniquidade.”

Aos que se apresentavam arrependidos, procurando mudar de vida e de mentalidade, Jesus os recebia com carinho e amor paternal; mas, pelo contrário, os que viviam uma vida pecaminosa e, apesar dos ensinamentos do Divino Mestre, se mantinham na sua trilha de pecado e iniquidade, para esses Jesus tinha palavras duras e mostrava qual seria o destino deles se continuassem na trilha do desrespeito aos mandamentos do Senhor.

Quando Jesus disse que os publicanos e prostitutas chegariam aos céus primeiro ou precederiam muita gente no reino dos céus, até hoje, muita gente que não vive o espírito de Jesus Cristo e nem assume a sua mensagem evangélica, se escandaliza, desconhecendo o sentido verdadeiro dessa afirmativa do Divino Mestre.

Os ladrões e prostitutas que tiveram uma vida de pecado mas que se arrependeram, esclarecidos que foram  pela luz e força do espírito do Evangelho, esses precederão no Reino dos Céus a muitos que se julgaram e se julgam santos.

O Reino dos Céus é para todos os que tem o coração puro: “Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus.” (Mt 5,8).

Assim o salmista define os que herdarão o Reino dos Céus: “Quem pode subir a montanha de Iahweh? Quem pode ficar de pé no seu lugar santo? Quem tem mãos inocentes e coração puro, e não se entrega à falsidade, nem faz juramentos para enganar” (Sl 24 (23),3-4).

O Reino dos Céus foi feito para os mansos e humildes de coração, para os que tem mãos inocentes e coração puro, não se entrega à falsidade e nem faz juramentos para enganar; para os que oram, reconhecendo a grandeza e misericórdia de Deus Pai, para os que sabem que são pecadores mas fazem penitência e se arrependem verdadeiramente de seus pecados.

Mas os que estão no pecado e continuam  na sua vida irregular, pecaminosa, a esses Jesus  tem palavras duras e promessas pouco animadoras para a vida futura.

É por isso que Paulo escreve a Timóteo, chamando-lhe a atenção de como deve viver o cristão que está preocupado com a vida eterna e lutando para herdar o Reino de Deus: “Tu,, porém, ó homem de Deus, foge dessas coisas. Segue a justiça, a piedade, a fé, o amor, a perseverança, a mansidão. Combate o bom combate da fé, conquista a vida eterna,, para a qual foste chamado, como o reconheceste numa bela profissão de fé diante de muitas testemunhas.” (1Tm 6,11-12).Assim João escreve na sua primeira carta: “Todo o que crê que Jesus é o Cristo, nasceu de Deus, e todos o que ama ao que gerou ama também o que dele nasceu. Nisso reconhecemos que amamos os filhos de Deus: quando amamos a Deus e guardamos os seus mandamentos. Pois este é o amor de Deus; observar os seus mandamentos. E os seus mandamentos não são pesados, pois todo o que nasceu de Deus vence o mundo. E esta é a vitória que venceu o mundo: A NOSSA FÉ” (1Jo 5,1-4)