Viva São João Batista!

191

São João Batista, além da Virgem Maria, é o único santo de quem a Liturgia celebra o nascimento para a terra. João, como “Precursor” de Jesus teve, de fato, um papel único na História da Salvação. Filho de Zacarias e de Isabel, a sua vida não desabrochou por iniciativa humana, mas por dom de Deus a dois pais de idade avançada e, por isso, já sem possibilidade de gerar filhos. Situado na charneira entre o Antigo e o Novo Testamento, como Precursor, João é considerado profeta de um e outro Testamento. O paralelismo estabelecido por Lucas entre a infância de Jesus e de João Batista levou a Liturgia a celebrar o nascimento de ambos: o de Jesus no solstício de Inverno e o de João no solstício de Verão.

O Segundo Cântico do Servo do Senhor na primeira Leitura(Cf. Is 49,1-6), mostra-nos uma vocação pessoal: “O Senhor chamou-me antes de eu nascer, desde o ventre de minha mãe ele tinha na mente o meu nome”(Cf. Is 49,1). Este chamado é o de manifestar a grandeza de Deus ao povo de Israel e a de ser a luz para as nações.

De fato, na Segunda Leitura(Cf. At 13,22-26) que “João pregou um batismo de conversão para todo o povo de Israel, antes que Jesus chegasse”(Cf. At 13,24).

O Batista não era a Luz do mundo, mas a indicou com a sua vida, pregação e martírio. A vida cristã é um dom de Deus, todos nós somos vocacionados a participar da vida divina, por meio da Redenção operada por Cristo. Diante do estrondoso dom, somos convidados a cantar com o Salmista: “Eu vos louvo e dou graças, ó Senhor!”(Cf. Sl 138).

O próprio nome do precursor significa “misericórdia de Deus”. Que maravilha, pois Deus foi misericordioso com Isabel dando-lhe um filho na velhice, foi misericordioso para com Zacarias, cujo nome tem as consoantes de Zicaron(do hebraico), que significa “memória”, “lembrança”. O memorial do Antigo Testamento, os sacrifícios de touros e ovelhas, estava mudo, sem expressão, até a vinda de Jesus, pois nele temos a Nova Aliança, por meio do seu Sangue.

João Batista anunciava Jesus: preparemos os caminhos para o Senhor, para a Nova e Eterna Aliança, até que Cristo retorne em sua glória: a Igreja, assim como João Batista, está unida à vida e missão de Jesus: ele é o amigo do Esposo(Cf. Jo 3,29); Ela é a esposa do Cordeiro. A esposa anuncia a morte do Senhor e proclama a sua Ressurreição até que ele venha. A Igreja, assim como João, não vive para si, mas para aquele que a amou e a resgatou. Ambos, o Amigo e a Esposa, creem e anunciam.

A figura de São João Batista nos relembra como aquele que batiza e é o precursor do Senhor no cenário austero e ao mesmo tempo sugestivo do rio Jordão e do deserto de Judá. Dada que a imagem do Cordeiro de Deus está estreitamente ligada àquela do servo sofredor, descrito pelo profeta Isaías como “cordeiro levado ao matadouro” (Is. 53, 7) e do cordeiro pascal (Ex. 12) que é símbolo da redenção de Israel, com ela João nos apresenta o Cristo como Redentor. Jesus deve passar pela paixão, morte e ressurreição para poder batizar “no Espírito Santo” e operar a salvação, como “Filho de Deus”. A atitude do Batista nesta passagem é a daquele que, por etapas, progride na fé e no conhecimento de Cristo: antes diz que não O conhece (v. 31), depois vê n’Ele o Messias — sofredor (v. 29), enfim o Santificador (v. 31) e o Filho de Deus (v. 34). Este modo de agir para nós exemplar, porque nos ensina a acolher Cristo como Aquele que com o batismo instaura em nós uma nova realidade, uma “nova criação”, um novo reino: aquele que vivificado pelo Espírito Santo; mas nos ensina também a iniciar um caminho de fé, no qual nos sentimos cada vez mais empenhados em dar testemunho de Cristo não só como Filho do homem, mas também como Filho de Deus que veio para tirar do coração do homem a raiz de todo o mal, a saber, o pecado. Tudo isto evoca a delicada e comovente imagem do Cordeiro, com a qual João Batista “manifestou” Cristo ao mundo, naquele longínquo dia junto das margens do Jordão. Imitemos o Batista e conformemos a nossa vida com a de Cristo, o Cordeiro de Deus que tira o pecado do Mundo!

São João Batista, rogai por nós!

+ Eurico dos Santos Veloso

Arcebispo Emérito de Juiz de Fora, MG