A devoção à Virgem Maria

371
nossa senhora vrigem maria

O Pai tem prazer em olhar o coração da Santíssima Virgem Maria, como obra-prima de Suas mãos; pois sempre gostamos de nosso próprio trabalho, principalmente quando bem feito. O Filho deleita-se como o coração de Sua Mãe, a fonte da qual Ele tirou o Sangue que nos resgatou; o Espírito Santo como Seu templo. Os Profetas publicaram a glória de Maria antes de seu nascimento; eles a compararam com o sol. De fato, a aparição da Virgem Santa pode muito bem ser comparada a um belo brilho do sol em um dia de neblina.

Antes de sua vinda, a ira de Deus pairava sobre nossas cabeças como uma espada pronta para nos atingir. Assim que a Virgem Santa apareceu sobre a terra, Sua ira foi aplacada. . . . Ela não sabia que deveria ser a Mãe de Deus e, quando criança, costumava dizer: “Quando verei então aquela bela criatura que será a Mãe de Deus?” A Santa Virgem nos trouxe duas vezes, na Encarnação e aos pés da Cruz; ela é então duplamente nossa mãe. A Santa Virgem é frequentemente comparada a uma mãe, mas ela é muito melhor ainda do que a melhor das mães; pois a melhor das mães às vezes castiga seu filho quando ele a desagrada e até bate: ela pensa que está fazendo o certo. Mas a Santa Virgem não o faz; ela é tão boa que nos trata com amor e nunca nos pune.

O coração desta boa mãe é todo amor e misericórdia; ela deseja apenas nos ver felizes. Temos apenas que nos voltar para ela para ser ouvida. O Filho tem Sua justiça, a Mãe não tem nada além de seu amor. Deus nos amou tanto a ponto de morrer por nós; mas no coração de Nosso Senhor há justiça, que é um atributo de Deus; na da Santíssima Virgem não há nada além de misericórdia. Seu Filho, pronto para punir um pecador, Maria interpõe, checa a espada, implora perdão ao pobre criminoso. “Mãe”, nosso Senhor diz a ela, “não posso recusar nada a você. Se o inferno pudesse se arrepender, você obteria seu perdão”.

A Santíssima Virgem se coloca entre seu Filho e nós. Quanto maiores pecadores somos, mais ternura e compaixão ela sente por nós. A criança que custou mais lágrimas à mãe é a mais querida do coração. Uma mãe nem sempre corre para ajudar os mais fracos e os mais expostos ao perigo? O médico do hospital não está mais atento àqueles que estão gravemente doentes? O coração de Maria é tão terno para conosco que as de todas as mães do mundo juntas são como um pedaço de gelo em comparação com o dela. Veja como a Santa Virgem é boa! Seu grande servo São Bernardo costumava dizer-lhe: “Eu te saúdo, Maria.” Um dia, esta boa mãe respondeu: “Eu te saúdo, meu filho Bernard”.

A Ave Maria é uma oração que nunca é cansativa. A devoção à Virgem Santa é deliciosa, doce, nutritiva. Quando falamos sobre assuntos terrestres ou política, ficamos cansados; mas quando falamos da Virgem Santa, é sempre nova. Todos os santos têm uma grande devoção a Nossa Senhora; nenhuma graça vem do céu sem passar por suas mãos. Não podemos entrar em uma casa sem falar com o porteiro; bem, a Santa Virgem é a portaria do céu.

Quando temos que oferecer algo a um grande personagem, o apresentamos pela pessoa que ele mais gosta, para que a homenagem seja agradável para ele. Portanto, nossas orações têm um tipo de mérito bem diferente quando são apresentadas pela Santíssima Virgem, porque ela é a única criatura que nunca ofendeu a Deus. Somente a Santíssima Virgem cumpriu o primeiro mandamento – adorar somente a Deus e amá-lo perfeitamente. Ela cumpriu completamente.

Tudo o que o Filho pede ao Pai é concedido a Ele. Tudo o que a Mãe pede ao Filho é da mesma maneira que lhe é concedido. Quando lidamos com algo perfumado, nossas mãos perfumam tudo o que tocam: que nossas orações passem pelas mãos da Santa Virgem; ela vai perfuma-los. Penso que no fim do mundo a Santíssima Virgem estará muito tranquila; mas enquanto o mundo dura, nós a arrastamos em todas as direções. . . . A Santa Virgem é como uma mãe que tem muitos filhos – ela está continuamente ocupada em ir de um para o outro.

PorSão João Maria Vianney