Extinguindo sua sede com água viva

306

O Terceiro Domingo da Quaresma, Ano A
(Nota: Este Evangelho também é opcional para os Anos B e C com Escrutínios)

“Venha ver um homem que me contou tudo o que fiz. Poderia ele ser o Cristo? ”João 4,29

Esta é a história de uma mulher que encontrou Jesus no poço. Ela chega ao poço no meio do calor do meio-dia para evitar as outras mulheres de sua cidade por medo de encontrar seu julgamento sobre ela, pois ela era uma mulher pecadora. No poço ela encontra Jesus. Jesus fala com ela por um tempo e ela é profundamente tocada por essa conversa casual, mas transformadora.

A primeira coisa a notar é que o próprio fato de Jesus falar com ela a tocou. Ela era uma mulher samaritana e Jesus era um homem judeu. Homens judeus não falavam com mulheres samaritanas. Mas havia algo mais que Jesus disse que a afetou profundamente. Como a própria mulher nos diz, Ele “me contou tudo o que fiz”. 

Ela não estava apenas impressionada que Jesus soubesse tudo sobre seu passado como se fosse um leitor de mentes ou um mágico. Há mais neste encontro do que o simples fato de que Jesus contou tudo sobre seus pecados passados. O que realmente parecia tocá-la era que dentro do contexto de Jesus, conhecendo tudo sobre ela, todos os pecados da sua vida passada e seus relacionamentos quebrados, ele ainda a tratava com o maior respeito e dignidade. Esta foi uma nova experiência para ela!

Podemos estar certos de que ela teria experimentado diariamente uma espécie de vergonha comunitária. A maneira como ela viveu no passado e a maneira como ela vivia no presente não era um estilo de vida aceitável. E ela sentiu a vergonha que, como mencionado acima, foi a razão pela qual ela veio para o poço no meio do dia. Ela estava evitando os outros.

Mas aqui estava Jesus. Ele sabia tudo sobre ela, mas queria dar-lhe água viva, no entanto. Ele queria saciar a sede que ela estava sentindo em sua alma. Enquanto falava com ela e experimentava sua gentileza e aceitação, essa sede começou a ser saciada. Começou a ser saciada porque o que ela realmente precisava, o que todos nós precisamos, é esse amor e aceitação perfeitos que Jesus oferece. Ele ofereceu a ela, e Ele oferece para nós.

Curiosamente, a mulher foi embora e “deixou o jarro de água” junto ao poço. Ela nunca conseguiu a água pela qual veio. Ou ela? Simbolicamente, esse ato de deixar a jarra de água no poço é um sinal de que sua sede foi saciada por esse encontro com Jesus. Ela não estava mais com sede, pelo menos espiritualmente falando. Jesus, a Água Viva, saciou.

Reflita, hoje, sobre a inegável sede que está dentro de você. Uma vez que você esteja ciente disso, faça a escolha consciente de deixar Jesus saciá-lo com a Água Viva. Se você fizer isso, você também deixará para trás os muitos “potes” que nunca satisfazem por muito tempo.

Senhor, você é a água viva que minha alma precisa. Que eu possa encontrar-te no calor do meu dia, nas provações da vida e na minha vergonha e culpa. Que eu possa encontrar Seu amor, gentileza e aceitação nestes momentos, e que esse Amor se torne a fonte da minha nova vida em Você. Jesus eu confio em vós.