Faze a mesma coisa

262
Família: lugar da esperança

Depois de termos, nesta semana, celebrado a memória de Santa Paulina do Coração Agonizante de Jesus e do Abade São Bento, pai do monaquismo ocidental, estamos celebrando o 15º Domingo do Tempo Comum. No Tempo Comum, entre as vicissitudes e alegrias da vida diária, o centro da vida cristã é a celebração do Domingo, o Dia do Senhor. O Evangelho (Cf. Lc 10, 25-37), apresenta Jesus falando com um doutor da lei sobre o primeiro mandamento: o amor a Deus e ao próximo. O doutor interroga o Mestre, não por desejo de aprender, mas “para O experimentar.” (Cf. Lc 10,28) “E quem é o meu próximo?(Cf. Lc 10,29)”

Em resposta, Jesus conta a história do samaritano que socorre o homem caído nas mãos dos ladrões e deixado meio morto ao lado da estrada. Este é o meu próximo: um homem, um homem qualquer, alguém que necessita de mim. O Senhor não introduz nenhuma especificação de raça, amizade ou parentesco. O nosso próximo é qualquer pessoa que esteja perto de nós e necessite de ajuda. Nada se diz do seu país, nem da sua cultura, nem da sua condição social: um homem qualquer.

A Palavra de Deus proposta neste Domingo é surpreendente. Tudo começa com uma pergunta que, apesar de mal intencionada, é válida, necessária, sempre urgente; pergunta que brota do mais profundo da nossa angústia: “Mestre, que devo fazer para receber em herança a vida eterna?” (Cf. Lc 10,25) Como devo viver para viver de verdade, para que minha vida valha a pena e não seja uma paixão inútil? Apesar de um mundo que procura nos distrair dessa pergunta, não há como sufocá-la, como fazer de conta que ela não perturba nosso coração! Onde está a felicidade duradoura? Onde está a vida, a realização da existência? Que caminho seguir, para ser feliz de verdade?

Jesus está falando com um escriba judeu; por isso, manda-o à Lei de Moisés. Uma coisa ele quer deixar clara: a vida não está no homem, mas na vontade de Deus! O homem somente será feliz, somente encontrará a vida se procurar lealmente a vontade de Deus. Por isso, no Salmo 118, o Salmista pede, de modo comovente: “Sou apenas peregrino sobre a terra; de mim não oculteis vossos preceitos!” Perder de vista o projeto de Deus para nós, é perder de vista a própria vida, o sentido da existência! Não esqueçamos, para não sermos enganados: fechados para a vontade do Senhor, não encontraremos a realização verdadeira! E este é o drama do mundo atual, que se julga maior de idade e, portanto, independente de Deus. Na verdade, é um mundo ateu, porque é um mundo auto-suficiente, que só confia de verdade na sua filosofia, na sua tecnologia, na sua racionalidade pagã e na sua moral fechada para o Infinito!

Nesta passagem do Evangelho (Cf. Lc 10,25-37) encontramos outro ensinamento fundamental: a Lei de Deus não consiste apenas em algo negativo: “não fazer”, mas sim em algo claramente positivo, é amor; a santidade, a que todos os batizados estão chamados, consiste em amar, em fazer coisas positivas, em dar frutos de amor de Deus. Quando o Senhor nos descreve o Juízo Final realça mais esse aspecto positivo da Lei de Deus (Mt 25, 31-46). O prêmio da vida eterna será concedido aos que fizeram o bem. Nesta parábola do bom samaritano, Santo Agostinho identifica o Senhor com o bom samaritano, e o homem assaltado pelos ladrões com Adão, origem e figura de toda a humanidade caída. Levado por essa compaixão e misericórdia, desce à terra para curar as chagas do homem, fazendo-as suas próprias (Is 53, 4; Mt 8, 17; 1Pd 2, 14; 1 Jo 3, 5).

Jesus conclui o ensinamento com uma palavra cordial, dirigida ao doutor: “Vai e faze tu o mesmo” (Cf. Lc 10,37). Sê o próximo inteligente, ativo e compassivo com todo aquele que precisar de ti. Pois, como ensina São Tomás, “quando é amado o homem, é amado Deus já que o homem é imagem de Deus”. Quem ama de verdade Deus ama também os seus iguais, porque verá neles os seus irmãos, filhos do mesmo Pai, redimidos pelo mesmo sangue de Nossa Senhor Jesus Cristo: “Temos este mandamento de Deus: que o que ame a Deus ame também o seu irmão” (1 Jo 4, 21). Há, porém, um perigo! Se amamos o homem pelo homem, sem referência a Deus, este amor converte-se em obstáculo que impede o cumprimento do primeiro preceito; e então deixa também de ser verdadeiro amor ao próximo. Mas o amor ao próximo por Deus é prova patente de que amamos a Deus: “se alguém diz: amo a Deus, mas despreza o seu irmão, é um mentiroso” (1 Jo 4, 20).

Contudo, recordemos que o próprio Senhor nos deu o exemplo; ele mesmo se fez próximo de nós: sendo Deus se fez homem, veio viver a nossa aventura, partilhar a nossa sorte, para nos dar a sua vida: “Cristo é a imagem do Deus invisível (Cl 1, 15-20) porque Deus quis habitar nele com toda a sua plenitude”. Ele não viu nossa miséria de longe, não nos amou à distância: desceu e veio viver a nossa vida, fazendo-se Deus-conosco! Por isso, ele é o verdadeiro Bom Samaritano, o verdadeiro modelo daquele que “se faz próximo” do próximo: viu-nos à margem do caminho da vida; viu-nos roubados e despojados de nossa dignidade de imagem de Deus; viu-nos totalmente perdidos… Ele se compadeceu de nós, desceu à nossa miséria, fez-se homem, para nos curar e elevar. Nele, se revela a plenitude do amor a Deus e aos outros: “Deus quis por ele reconciliar consigo todos os seres que estão na terra e no céu, realizando a paz pelo sangue da sua cruz”.

         Orani João, Cardeal Tempesta, O. Cist.

         Arcebispo Metropolitano de São Sebastião do Rio de Janeiro, RJ