O sinal é uma criança

4136
Natal, O sinal é uma criança

Estamos próximos de concluir o Advento. Alguns dias mais e será Natal. E as leituras do quarto domingo do Advento oferecem as últimas chaves que nos permitirão identificar aquele que chega – nosso Salvador. É importante que prestemos atenção a esses sinais. Não vá acontecer que, depois de tão longa espera, estejamos distraídos e não percebamos quando Ele passar ao nosso lado.

De novo, tal como nos três domingos anteriores, o profeta Isaías nos oferece a chave. Conta-nos uma antiga história de um rei que não confiava em Deus e que, ainda assim, o Senhor lhe quis dar uma prova de sua presença e força. O rei governava uma cidade sitiada, submetida à fome e à destruição da guerra. O sinal oferecido por Deus não era um milagre que rompia com as leis da natureza. Era simples, mas repleto de esperança. Quando o rei pensou que o seu reino estava se acabando e que tudo seria destruído, Deus lhe prometeu que nasceria uma criança de uma virgem. A criança levaria o nome de Emanuel que, traduzido, significa “Deus conosco”. Deus convidava, assim, o rei a olhar para além das aparências e a colocar toda a sua confiança nele. Onde o rei via uma cidade amedrontada, sitiada por um exército inimigo e submetida à fome e à morte, Deus faria nascer uma criança de uma virgem. Essa criança seria a promessa de Deus, o sinal de sua presença salvadora exatamente onde o rei não enxergava possibilidade alguma. Lida hoje, essa promessa do profeta Isaías é feita para nós. Vai nos nascer uma criança. Este será o grande sinal de Deus. Essa criança é e será o sinal da promessa de Deus, do seu amor restaurador, reconciliador e salvador.

No Evangelho (Mt 1,18-24) nos é contada outra história. Desta vez, mais próxima e familiar. Os protagonistas são José e Maria. Estão noivos e, inclusive, comprometidos em casar-se. Mas Maria está grávida sem que tenham vivido juntos. José podia ser bom, mas não era tolo. Não desejava provocar um escândalo, mas tampouco ficar com quem não lhe pertencia. Então, acontece o inesperado: um anjo lhe aparece em sonhos e lhe faz entender que aquela criança era o grande sinal pelo qual o povo estava esperando. A criança que estava crescendo no ventre de Maria era aquela sobre quem Isaías havia profetizado. Era o Deus conosco. Deus tornou possível aquilo que para os honens é impossível. Deus criou nessa criança vida e esperança para toda a humanidade.

Este é o grande sinal pelo qual esperamos. O nascimento de uma criança. Agora sabemos que nosso Deus é pela vida, defende-a, promove-a e a cria. O sinal de sua presença é uma criança, qualquer criança. É a vida, qualquer vida. Agora sabemos que cada sinal de vida entre nós fala da presença de Deus. É o Deus conosco.