Sobre Indulgências

348
indulgência

O castigo, como uma sombra, segue todo pecado, seja mortal ou venial, e geralmente não é remetido ao máximo quando o perdão é obtido. A punição eterna, incorrida pelo pecado mortal, é sempre remetida com a culpa, mas alguma punição temporal geralmente permanece devido à justiça de DEUS. Esse castigo temporal é infligido por DEUS nesta vida ou no purgatório; mas um homem pode antecipar a justiça divina por obras de penitência ou por meio de indulgências. 
A culpa, então, do pecado é uma coisa, a punição outra. A culpa é remitida quando um homem realmente se arrepende, com ou sem o Sacramento da Penitência; mas, embora a punição, ou parte dela, possa ser remetida com a culpa, alguns geralmente permanecem, como uma dívida de satisfação, a serem pagos neste mundo ou no próximo. Esta verdade está claramente indicada nas penitências sacramentais que sempre acompanham a absolvição. 

Essas penitências, com o passar do tempo, sob pressão de circunstâncias externas, perderam grande parte da gravidade que as caracterizou em épocas anteriores, mas ainda testemunham o princípio de que, após o perdão, a satisfação permanece devida. A leveza comparativa das penitências sacramentais modernas deve sugerir que elas sozinhas não são suficientes para satisfazer a justiça de DEUS, e que devem ser complementadas por outras penitências, autoinfligidas ou pacientemente aceitas pelas mãos de DEUS, ou por algum equivalente . E, no caso de pecados perdoados indiretamente no Sacramento, ou apenas por meio da contrição, a satisfação que resta é deixada inteiramente à paciência do indivíduo sob castigo de DEUS, ou à sua atividade pessoal em se aplicar a obras de penitência, ou a algum equivalente. 

O que é, então, uma indulgência? Uma indulgência é a remissão pela Igreja, em condições especificadas, de todo ou parte da dívida de satisfação que permanece devido ao pecado. A Igreja tem poder para se absolver da culpa; ela também tem poder para remeter a punição. A que ela exercita no Sacramento da Penitência; o outro ela exercita quando concede uma indulgência. E está claro pelo que foi dito que uma Indulgência é suplementar à Absolvição e pressupõe o perdão da culpa do pecado. 

Teologicamente considerado, uma indulgência não é um mero exercício de poder e autoridade espirituais por parte da Igreja; é realmente um pagamento da dívida, feito de seu tesouro com mérito satisfatório; pois na página 11 de 187 estão armazenados os méritos superabundantes de JESUS ​​CRISTO e os méritos acumulados de nossa Senhora e de todos os santos. Com esse fundo inesgotável sob seu comando, ela tem os meios de satisfazer as dívidas devidas de seus filhos à justiça de DEUS. 

Na forma, uma indulgência emana do papa; desconsiderando o limitado poder exercido pelos Bispos em favor de seus rebanhos e pelos Cardeais, Núncios e outros; e está registrado em um decreto ou rescript da Congregação das Indulgências, ou em algum documento semelhante. Atribui a uma oração especificada ou boa obra um valor adicional satisfatório, sendo esse valor expresso nos termos de uma penitência canônica antiga, a saber, por tantos dias Quarentenas (que duraram quarenta dias) ou anos, aos quais a Indulgência é lá por declarado ser equivalente. As primeiras indulgências foram, de fato, remissões dessas mesmas penitências. 

As indulgências são plenárias ou parciais, de acordo com a remissão total ou parcial da dívida da punição devida. Em ambos os casos, o benefício real obtido depende das disposições do penitente, e do cuidado e precisão que ele emprega no cumprimento das condições estabelecidas. Por uma questão de clareza e facilidade de referência, as condições gerais e especiais exigidas para a obtenção de Indulgências são apresentadas em forma de tabela abaixo. 

Resta apenas acrescentar que, embora a Igreja não tenha jurisdição direta sobre as almas no Purgatório, ela autoriza e incentiva, como obra de suprema caridade, a aplicação de indulgências, por meio de sufrágio, às necessidades dessas almas aflitas; e podemos assegurar-nos com confiança de que esses sufrágios são mais aceitáveis ​​para a Divina Majestade, e que o que a Igreja assim, por assim dizer, indiretamente perdia no purgatório é rapidamente perdida também no céu, em meio à alegria de toda a corte celestial. a grande glória de DEUS, e para o benefício incalculável, tanto das almas sofredoras quanto de seus benfeitores terrenos. 

Condições gerais necessárias para todas as indulgências.

1. ESTADO DE GRAÇA. (Ver Decisões i, 2,)
2. INTENÇÃO (Ver Decisões 3, 4)
3. PRECISÃO e DEVOÇÃO no cumprimento das condições especificadas. (Veja NB ibid.)

Condições especiais geralmente exigidas para indenizações plenárias e, às vezes, parciais.

Eu. CONFISSÃO.
ii. COMUNHÃO.
iii. VISITA a uma igreja ou capela pública. (Veja p. Xiii.)
iv. ORAÇÃO de acordo com a intenção do Papa. (Veja a página xiii.) 

NB Não se pode enfatizar demais a importância de observar com atenção e cumprir exatamente tudo o que for necessário para obter uma indulgência específica. Se houver algum desvio, ainda que não intencional, da letra estrita das condições especificadas, nenhuma indulgência poderá ser obtida. 

Para obter o benefício total de uma indulgência plenária, é necessário ter um verdadeiro ódio de todo pecado, mesmo venial, cometido, e estar totalmente livre de todo apego voluntário ao que é pecaminoso. 

NOTA. No caso de obter indulgências para os mortos, a necessidade de um estado de graça é questionada por alguns teólogos, a menos que seja especificado ou implícito no Grant; e, portanto, neste caso em particular, a necessidade não pode ser insistida como absolutamente certa; no entanto, na prática, um estado de graça deve sempre ser considerado de primeira importância, sendo a opinião acima citada “apenas provável. 

As seguintes decisões das Congregações das Indulgências devem ser cuidadosamente observadas: 

DECISÕES DA SAGRADA CONGREGAÇÃO DAS INDULGÊNCIAS – ESTADO DE GRAÇA 

1. Um estado de graça deve preceder tudo, mas, caso contrário, deve ser atingido antes que o último dos atos prescritos para a indulgência seja concluído. (Raccolta, p. Vii.)

2. Embora para indulgências parciais a confissão geralmente não seja necessária como condição, a fórmula usual é “com pelo menos um coração contrito”, no caso de um pecado mortal consciente, ela deve preceder os outros atos; mas, em caso de dificuldade em chegar à confissão, basta um ato de verdadeira contrição com o firme propósito de confessar. (17 de dezembro de 1870.) Em circunstâncias comuns, a fórmula acima citada implica apenas um estado de graça. 

INTENÇÃO 

3. Uma intenção geral de obter todas as indulgências é suficiente. Deve ser renovado de tempos em tempos, digamos, todas as manhãs. (Raccolta, p. Viii.) 

4. Por uma intenção geral adicional, todas as indulgências, ou por uma intenção específica, podem ser aplicadas às Almas Sagradas no Purgatório, às Almas Sagradas em geral ou às almas individuais (Ib.) NB Indulgências a serem aplicáveis ​​às as almas santas exigem uma declaração positiva nesse sentido na concessão. (Cf, Instrução 8, pi) 

CONFISSÃO 

5. A confissão, quando requer uma condição, é obrigatória mesmo para aqueles que não têm consciência do pecado mortal. (19 de maio de 1975). 

6. A Confissão, ou Confissão e Comunhão, exigidas como condições podem ser feitas no dia anterior ao indicado para uma Indulgência, desde que outros atos ainda devam ser praticados no próprio dia. (12 de janeiro de 1878.)

6a Nos casos de festas especiais enriquecidas com indulgências, e naqueles dias em que, como no caso da Portiuncula, muitas indulgências podem ser obtidas em sucessão; por causa do concurso dos penitentes, a Confissão agora pode ser feita, no primeiro caso, ou seja, quando uma única indulgência está em questão, dois dias, e no segundo caso, três dias antes da festa. (N de março de 1908.) 

7. A Confissão habitual semanal, para aqueles em estado de graça, é suficiente para todas as Indulgências durante a semana, exceto os Jubileus. (12 de março de 1855.) 

8. Por confissão semanal entende-se Confissão a cada sete dias. (23 de novembro de 1878, 25 de fevereiro de 1886.) 

Os comunicadores diários da NB não são mais obrigados a fazer esta confissão semanal. Ver Comunhão frequente “, nº 85, p. 70. 

9. Nos casos de devoção que se estendem por um período de dias, a Confissão e a Comunhão podem ser feitas a qualquer momento dentro de oito dias após o final desse período. (8 de dezembro de 1 897.) 

10. Se o Bispo da Diocese solicitar, é feita uma concessão em favor de lugares onde, por falta de Confessores, as pessoas têm dificuldade em chegar à Confissão antes de um banquete indulgente. Nesses casos, a Confissão feita oito dias antes é suficiente e abrange todas as Indulgências durante o período. (12 de junho de 1822; 28 de setembro de 1838; 15 de dezembro de 1841.) 

11. Em circunstâncias semelhantes, e se o Bispo solicitar a concessão, a Confissão habitual realizada quinzenalmente, ou seja, a cada treze dias, será suficiente para todas as Indulgências durante o período. (23 de novembro de 1878; 25 de fevereiro de 1886.) 

12. A confissão e a comunhão feitas no dia de Páscoa satisfazem o preceito pascal e a indulgência associada às bênçãos papais dadas pelo bispo. (19 de março de 1841.) 

13. Para um Jubileu, ordinário ou extraordinário, uma Confissão e Comunhão especiais devem ser feitas. (10 de maio de 1844.) 

COMUNHÃO 

14. Uma comunhão satisfaz todas as indulgências do dia. (29 de maio de 1841.)

15. A Comunhão Pascal satisfaz o preceito pascal e a indulgência do dia. (10 de maio de 1844.) 

16. A menos que seja especialmente exigido, a Comunhão por uma Indulgência anexada a uma igreja específica não precisa ser feita nessa igreja. (19 de maio de 1759) 

17. Em casos de enfermidade crônica ou impedimento físico, o Confessor pode comutar a Comunhão por algum outro bom trabalho. E isso foi feito aplicável às Comunidades. (18 de setembro de 1862; 16 de janeiro de 1886.) 

VISITA A UMA IGREJA OU CAPELA PÚBLICA 

18. Visitas separadas devem ser feitas para duas ou mais Indulgências. (29 de fevereiro de 1864.) 

19. Se a Comunhão for feita em uma igreja ou capela prescrita ou disponível para a visita, uma oração especial dita no momento da Comunhão satisfaz uma visita. (Raccolta, p. Xviii.) 

20. As capelas dos mosteiros, seminários e conventos, aos quais os fiéis não têm acesso público, não estão disponíveis para a visita. (22 de agosto de 1842.) 

21. Os confessores podem comutar a visita no caso de inválidos crônicos ou daqueles que não podem sair. E isso foi feito aplicável às Comunidades. (1 8 de setembro de 1862; 16 de junho de 1886). 

22. A visita pode ser feita antes ou depois dos outros atos, ou seja, a qualquer hora, da meia-noite à meia-noite, a menos que seja especificado de outra forma, por exemplo, desde as primeiras Vésperas na vigília até o pôr do sol na festa. (19 de maio de 1759; 12 de janeiro de 1878.) 

ORAÇÃO DE ACORDO COM A INTENÇÃO DO PAPA 

23. A intenção do Papa sempre inclui os seguintes objetos: 

Eu. O progresso da fé e o triunfo da Igreja.
ii. Paz e união entre príncipes e governantes cristãos.
iii. A conversão dos pecadores.
iv. O desenraizamento da heresia. 

Essas intenções podem ser lembradas e oradas adequadamente após a Comunhão ou na visita; mas uma intenção geral de orar segundo a mente do papa é suficiente; e qualquer oração pode ser usada que ainda não seja obrigatória, por exemplo, as pequenas horas de um ofício de sacerdotes. (12 de julho de 1847; 29 de maio de 1841.) 

SURDO E MUDO 

24. A oração vocal é comutada para uma devota elevação da mente e do coração. (16 de fevereiro de 1852.) 

25. Nas devoções públicas, a presença e uma atitude devota de mente e coração são suficientes. (Ibidem) 

26. Os confessores podem comutar orações particulares por outras obras externas. (Ibidem)

27. As orações vocais podem ser ditas por sinais ou mentalmente, ou podem ser lidas sem articulação. (16 de julho de 1902). 

GERAL 

28. As orações indulgentes podem ser ditas em qualquer idioma, desde que a versão no vernáculo seja uma tradução fiel do original; e isso pode ser garantido pelo Cardeal Prefeito da Congregação das Indulgências ou por um dos Ordinários do país em que a língua em questão é falada. (20 de dezembro de 1884.) 

29. A menos que seja especialmente necessário, não é necessário dizer orações completas ajoelhadas. (18 de setembro de 1862.) 

30. A menos que outro sábio tenha declarado, por exemplo, “das primeiras vésperas da vigília ao pôr do sol na festa”, o dia é calculado da meia-noite à meia-noite. (12 de janeiro de 1878.) 

31. Devoções que admitem ser ditas alternadamente, como o Angelus ou o Rosário, podem ser ditas por várias pessoas juntas. (29 de fevereiro de 1820.) 

32. Uma oração ou um bom trabalho, enriquecido com diversas indulgências, deve ser repetido, para que várias indulgências sejam obtidas, a menos que tal repetição seja impraticável, por exemplo, Comunhão ou incomum, por exemplo, Confissão. (29 de fevereiro de 1820; 12 de janeiro de 1878.) 

33. Uma indulgência plenária, concedida por visitar uma igreja em certos dias ou por realizar algum outro trabalho piedoso, pode ser obtida apenas uma vez por dia, exceto a de Portiuncula (7 de março de 1678) e concessões semelhantes concedidas a QT 

34. Uma indulgência associada a uma visita a uma igreja ou capela, mesmo que descrita como quotidiana plenaria, pode ser obtida apenas uma vez no ano, a menos que seja claramente declarado no indulto que pode ser obtida todos os dias. (16 de fevereiro de 1852.) 

35. Por festas de nosso Senhor, quando mencionadas em conexão com as indulgências plenárias, deve-se entender a Natividade, Circuncisão, Epifania, Páscoa, Ascensão e Corpus CHRISTI. E pelas festas de nossa Senhora devem ser entendidas a Imaculada Conceição, Natividade, Anunciação, Purificação e Assunção. (18 de setembro de 1862.) 

36. Se indulgências parciais são concedidas a “outras” festas de nosso Senhor e Nossa Senhora, isso deve ser entendido de festas comuns à Igreja Universal. 

37. Em todos os casos, as festas dos apóstolos significam aquelas que comemoram sua entrada na vida eterna. (18 de setembro de 1862.)

ROSÁRIOS, MEDALHAS, ETC. 

38. Objetos abençoados só podem ser usados ​​pela pessoa por quem foram originalmente abençoados, ou se abençoados por distribuição, podem ser passados ​​por essa pessoa a outras pessoas; mas eles não podem ir mais longe. Eles não podem ser doados ou emprestados com a intenção de transferir as indulgências que lhes são inerentes. Se assim forem, as indulgências são perdidas e os objetos retornam à sua condição original de não abençoada. Eles não podem ser vendidos ou trocados. 

E se uma pessoa se compromete a receber tais objetos como abençoados por outros, deve ter cuidado, se desejar receber pagamento por eles, ou obter o dinheiro antes de obtê-los abençoados, ou pelo menos apreciar uma comissão para comprá-los, suficiente para determinar a propriedade dos bens. (6 de fevereiro de 1657; 10 de janeiro de 1839; 16 de julho de 1887; 10 de julho de 1896.) 

FOLHAS, ETC.

39. Qualquer pessoa que obtenha uma concessão de uma indulgência, de extensão universal, deve, sob pena de nulidade, apresentar o original ao Secretário da Sagrada Congregação das Indulgências.

40. Assim, todos os folhetos, circulares, livrinhos ou papéis que pretendam conter orações indulgentes a todos os fiéis, não podem ser encontrados no Raccolta (diferentemente de documentos semelhantes pertencentes a Confraternidades, Sociedades Piedosas, etc., que são propositadamente omitidos ), são certamente espúrios e sem valor, a menos que tenham anexado a eles a aprovação da referida Congregação. (22 de janeiro de 1858; 8 de janeiro de 1861; 19 de janeiro de 1756; 14 de abril de 1856.) 

NB Resulta do que foi dito acima, que apenas as Indulgências concedidas a todos os Fiéis em geral podem ser encontradas no Raccolta, e que as Indulgências pertencentes a Confraternidades, Sociedades Piedosas e afins, que não são, portanto, de extensão universal, deve ser procurado em outro lugar, nas Regras e Regulamentos de tais Sociedades. 

LISTA DE ABREVIAÇÕES 

Bl., Bull.
Bps., Congregação dos Bispos e dos regulares.
Br., Breve.
Res., Rescript.
Mem., Secretaria de Memoriais.
Enc., Encíclico.
Con., Constituição. Aff., De Assuntos Eclesiásticos Especiais.
Mot. Motu proprio.
Pr. ma., Propria manu.
Bfs., De Briefs.
Indul., Congregação das Indulgências
Sta., Do Estado.
Pen., Penitenciária.
Ind., Do Index. Fora. Santo Ofício.
Rit., De Ritos.
ASS, Acta Sanctæ Sedis.
Prop., De Propaganda.
TQ, cotações Toties, ou seja, qualquer número de vezes. 

INSTRUÇÕES 

1. As condições, gerais e especiais, para obter Indulgências, com as decisões da Congregação de Indulgências que se seguem, devem ser cuidadosamente estudadas e frequentemente mencionadas. 

2. Salvo indicação em contrário, por exemplo, “uma vez por dia”, uma indulgência parcial pode ser obtida várias vezes seguidas. Isso é indicado pelas letras TQ 

3. Para ganhar um “Plenário, uma vez (ou duas vezes, etc.) por mês”, a oração ou às deve ser repetida diariamente ou um mês; e a Comunhão pode ser feita, salvo declaração em contrário, em qualquer dia do mês ou nos oito dias seguintes. 

4. Os algarismos romanos I, II, III, IV, colocados após uma indulgência, indicam as condições especiais, a saber: I, CONFISSÃO; II, COMUNHÃO; III, visita a igreja ou capela pública; IV, ORAÇÃO de acordo com a intenção do Papa (ver pp. Xi-xiii). 

5. As referências no pé da página correspondem às indulgências; e as datas são as dos rescritos da Congregação das Indulgências, a menos que indicado de outra forma (ver p. xv). 

6. Os Pais, Ave Maria e Glórias, prescritos para uma Indulgência, são indicados pelo latim Pater noster, Ave Maria e Gloria Patri, ou, em suma, Pater, Ave e Gloria. É claro que podem ser ditas em inglês, e isso se aplica a referências semelhantes em latim a orações familiares, antífonas, etc. 

NB Todas as indulgências que se seguem, exceto as concedidas “in articulo mortis”, isto é, para o ponto da morte, e exceto as marcadas com um asterisco, são aplicáveis ​​às almas santas no Purgatório (SC Indul., 8 de dezembro de 1897). )